Quilombo Ariramba, Pará (PA) Foto: Gabriel Uchida (@uchidagabriel)

     A PALAVRA ESCRITA

Esse espaço de escrita das palavras surgiu da minha necessidade de ser lido pelo outro. A escrita se torna viva quando é lida. Quando essas palavras são consumidas coletivamente. Quando essas palavras são acolhidas com carinho. Essa subjetividade estará presente nos meus textos. Eu sou aquilo que escrevo. Eu sou esse ser em constante mudança. E essa escrita se desloca comigo na jornada da vida. A vida é feita de palavras. 

Esse é um espaço democrático e sensível. É um espaço de crítica e questionamento. É um espaço de afeto e amor. Uma rede de cuidado será tecido nessas palavras escritas. Todes terão vozes para construir juntes uma outra sociedade possível. 

Agradeço pelo carinho de conhecerem e lerem um pouco de mim. Me ajudarem na caminhada da escrita. Precisamos estar juntes enquanto um ato de resistência e solidariedade. Um afetuoso abraSUS! 

"Escrevo para não morrer, mas também escrevo para não matar" _ Eliane Brum

             VIVA A UNIVERSIDADE PÚBLICA E GRATUITA! 

               VIVA O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE! 

               MARIELLE E ANDERSON PRESENTES!

 

Uma referência encantadora, é que o ícone do blog pertencente a capa do livro, Olhos D'água de Conceição Evaristo, uma potente escritora negra que me inspira e oxigena com suas escrevivências das mulheres negras.

Quilombo Ariramba - Pará.png

©2020 por Minhas palavras escritas. Orgulhosamente criado com Wix.com